sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Desenvolvimento Sustentável

Abaixo, serão tecidas algumas considerações acerca do desenvolvimento sustentável.

Guimarães e Moreira (2010) transcrevem o conceito mais aceito sobre o que é, com um certo grau de consenso, considerado como desenvolvimento sustentável. Nesse, constante no  relatório denominado Nosso Futuro Comum, elaborado por entidade da ONU, vê-se que aquele “é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir as suas próprias necessidades”. 

Já Lemos (2005 apud GUIMARÃES; MOREIRA, 2010) afirma que, para que isso ocorra, é preciso que quatro dimensões devam, forçosamente, ser consideradas. 

A primeira é a geoambiental, relacionada ao impacto das ações do homem sobre a natureza e dessa sobre o homem, num movimento de retroalimentação (que pode ser positivo ou negativo). 

A segunda é a socioeconômica, relativa às condições necessárias à realização do progresso econômico, de forma justa e equitativa. 

A terceira é a tecno-científica, consoante com os avanços tecnológicos em benefício de todos (aqui entendidos não apenas como os seres humanos, mas como toda a Natureza). 

A quarta e última é a politicoinstitucional, referente à representatividade de todos nas decisões politicoinstitucionais, definidoras do como serão utilizados os recursos e de qual destinação será dada a eles. Essa é a mais delicada, por ser a causadora de maior impacto e por ser a que decidirá o rumo das demais. Nem Guimarães e Moreira (2010), nem Baroni (1992) abordam com profundidade esse tema. Limitam-se a citá-lo. Mas esse, entretanto, não é o objetivo delas.

Sachs (1993 apud GUIMARÃES; MOREIRA, 2010) introduz a “liga” entre essas dimensões, quando apregoa o princípio da solidariedade, quando enfatiza a questão da humanidade. Para ele, é preciso ter solidariedade para com as gerações futuras, para com a Natureza e para com todas as pessoas. É preciso que haja uma empatia do homem para consigo mesmo e para com todo o ecossistema.

Numa palavra, as ações humanas (geoambientais, tecno-científicas, socioeconômicas e politicoinstitucionais) são viceralmente ligadas; nunca se deve, sob quaisquer pretextos, pensar uma não relacionada às outras.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BARONI, Margaret. Ambiguidades e Deficiências no Conceito de Desenvolvimento Sustentável. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, n. 32(2): 14-24, abr/jun, 1992. Disponível em: http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/10.1590_S0034-75901992000200003.pdf> Acesso em: 23 fev 2012.
GUIMARAES, Elidihara Trigueiro; MOREIRA, Jeanne Marguerite Molina. Disciplina SeminárioTemático II: Responsabilidade Social Corporativa e Terceiro Setor. Fortaleza: UFC Virtual, 2010.